CONHEÇA UM POUCO DO CLUBE COMARY

Ao registrar a história do Clube Comary, não podemos deixar de destacar a importância da Família Guinle, em especial do Dr. Carlos Palassim Guinle, na formação dessa associação que, hoje, congrega mais de 12.000 (doze mil associados) e figura entre os mais importantes Clubes da Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro.

carlosguinle
Dr.Carlos Guinle
*1883
†1969

Em 26 de junho de 1944 o Dr. Carlos Palassin Guinle adquiriu da Companhia Imobiliária e de Fomento Agrícola (CIFA), a Fazenda Comary, situada no bairro do Alto,  Município de Teresópolis, com área de 6.600.000 m2, formada pelo remembramento de três grandes imóveis. O imóvel “Fazenda Comary” está registrado sob o no. 4.401 no 1º. Cartório de Registro de Imóveis da Comarca de Teresópolis. 

historia foto1Foto da Fazenda Comary (Local onde foi construído o Clube)

Em 15 de setembro de 1966 o Dr. Carlos Guinle firmou com Mario Roca Freire, engenheiro agrônomo e com Darcy Neves Lopes, corretor de imóveis, um "Contrato de prestação de serviços de loteamento "registrado em fls. 67/74 do livro 220 do 1º Oficio de Notas de Teresópolis", para vender uma parte da área remanescente do Loteamento Jardim Comary, com 5.900.000m2".
A área que foi objeto deste contrato incluía as Glebas 1, 2, 3, 4, 5, a quadra D da Gleba 8, as Glebas  9, 10, 11, 12, 13, 14 e  15.
Foram excluídas do contrato apenas as áreas da Gleba 6 (que posteriormente viria a ser desmembrada em Gleba 6, Gleba 6-A e Gleba 7, 7-A e 7-B) e as outras Quadras da Gleba 8 (A, B, C, E, F, G), bem como as áreas de passagem do sistema de abastecimento de água até a residência do Dr. Carlos Guinle. 
Os serviços contratados incluíam a demarcação geodésica, o desmembramento das glebas, sua subdivisão em lotes, a urbanização, e as vendas em prestações, em oferta publica.

A GRANJA COMARY

O pensamento do Dr. Carlos Guinle era transformar a Fazenda Comary numa fazenda modelo e para isso iniciou uma criação de galinhas da raça Bresse importadas da França.
Curiosamente havia uma quinta para criação de raposas, um ranário (criação de rãs), além de grande quantidade de pássaros de varias espécies.
Segundo o Sr. Carlos Tuccimei Guinle (Cacau) bisneto do Sr. Carlos Guinle, o aviário era administrado pelo Sr. Amarildo, avô do Sr. Ladmir Carvalho, presidente da conceituada empresa de informática, Alterdata Software (1) e, na verdade, devido a grande variedade de animais existentes era até classificado como um mini zoológico, que nos finais de semanas era liberado para visitação.

Uma parte da Fazenda, correspondente a 150.000 m2, transformou-se na Granja Comary, tendo sido adquirida em 1978 pela Confederação Brasileira de Futebol – CBF.



historia foto2
Foto da criação de galinhas,
gentilmente cedida pelo senhor Carlos Tuccimei Guinle (Cacau).


A Granja Comary está situada no bairro Carlos Guinle, as margens do Lago Comary, de onde provém seu nome e que, por sua vez, também deu origem ao nome do Clube.
A denominação "Granja Comary” (2) ganhou destaque Internacional por abrigar, a partir de 1987, o Centro de Treinamento da Seleção Brasileira de Futebol tornando-se, por essa razão, mundialmente conhecida.


historia foto4
Criação de raposas
Foto gentilmente cedida pelo Sr.Carlos Tuccimei Guinle (Cacau)



A PREPARAÇÃO

Não há a menor duvida de que o Clube Comary já vinha sendo pensado e estruturado na mente dos Senhores Mario Roca Freire, Rubem Santos Rocha e Darcy Neves Lopes, que imaginavam oferecer aos adquirentes dos terrenos da Granja Comary e, sobretudo à Cidade de Teresópolis, um Clube Social capaz de compensar as poucas opções de lazer oferecidas pela Cidade.
Do pensamento, partiram para a ação e, em 01 de julho de 1968, de acordo com a Escritura de Promessa de Compra e Venda celebrada entre o Dr. Carlos Guinle e o Clube Comary (Sociedade Civil em fase de organização) representado por seus incorporadores, Dr. Mario Roca Freire, Rubem Santos Rocha e Darcy Neves Lopes, este prometeu vender-lhes uma área de terra de sua propriedade, denominada Gleba 8, com 251.640 m2 (duzentos e cinquenta e um mil, seiscentos e quarenta metros quadrados), desmembrada da maior porção da Granja Comary.
A mencionada Escritura registrada no livro 1285, fls. 54 v do 23º Oficio de Notas do Rio de Janeiro, Cartório Marcio Braga, estabelece que o promitente vendedor, Dr. Carlos Guinle, promete vender uma fração correspondente a 38.900/251.640 pelo preço certo e ajustado de NCR$ 260.400,00 (duzentos e sessenta mil e quatrocentos cruzeiros novos), por conta do qual recebe como sinal e princípio de pagamento a importância de NCR$ 400,00 (quatrocentos cruzeiros novos), ficando acertado que o saldo de NCR$ 260.000,00 (duzentos e sessenta mil cruzeiros novos) lhe será pago da seguinte maneira:
1 – No 1º ano, a partir da venda do 1º título de sócio do clube, e na proporção do recebimento das prestações mensais, o correspondente a 10% (dez por cento) do seu valor.
2 – No 2º ano, 20% (vinte por cento) do valor das prestações mensais recebidas, permanecendo este percentual até o final da quitação da dívida.
A clausula 7ª da escritura estabelece que, ao Clube fica assegurada a posse perpetua e a utilização exclusiva da área de 38.900 m2 (trinta e oito mil e novecentos metros quadrados) contida dentro do perímetro da Gleba 8, partindo do ponto situado no canto esquerdo da ponte de concreto existente sobre o rio Paquequer até encontrar a ponte situada na interseção dos rios Macacu e Paquequer, fechando o perímetro da Gleba 8.
A escritura assegura ainda, na clausula 10ª, a ambas as partes, o uso exclusivo do espaço remanescente da "pelouse" sob a condição de nela, o Clube não levantar qualquer construção, salvo se anuir o vendedor em vender-lhe a área a esse fim necessária.
Com isso, o Clube assegurava o espaço para construir sua sede social e começou a vender os títulos de sócio proprietário a partir da data (01.07.1968) da lavratura da escritura de aquisição do terreno.

A FUNDAÇÃO

A data acertada para fundar o Clube foi escolhida propositalmente para coincidir com a data do aniversário da Cidade.
A história oficial do Clube Comary começa, efetivamente, com a aprovação unanime de seu Estatuto Social, inserido na Ata da Reunião de Fundação do Clube Comary, realizada num sábado, dia 06 de julho de 1968, no Edifício Sede da Portaria da Granja Comary (A Casa do Porteiro) com a presença de 10 cidadãos, considerados como "OS FUNDADORES", cuja introdução reproduzimos a seguir:

historia foto3
A Casa do Porteiro (Portaria da Granja).
Foto gentilmente cedida pelo Sr.Carlos Tuccimei Guinle (Cacau)


"Aos seis dias do mês de julho do ano de mil novecentos e sessenta e oito, no edifício sede da propriedade denominada Granja Comary, localizada no Alto, cidade de Teresópolis, Estado do Rio de Janeiro, com a presença dos abaixo assinados e tendo eu sido convocada como secretaria "ad hoc" para redigir a presente ata pelo Sr. Mario Roca Freire, foi dito que assumia a presidência dos trabalhos para, nos termos das conversações prévias já amplamente articuladas com seus convidados, apresentar e submeter a discussão o projeto de Estatuto do "Clube Comary" que fizera elaborar. Feita a leitura, sem que qualquer restrição ou emenda fosse apresentada, mereceu ele aprovação unanime".

A reunião, secretariada pela Senhora Maria Mendes da Silva Souto e que constitui o marco inicial do Clube, consta do Livro de Atas da Diretoria do Clube (registrado no Cartório Jannotti - 1º Oficio – Teresópolis, em 08 de julho de 1968) e representa, simbolicamente, sua Certidão de Nascimento.

Após a transcrição dos 68 artigos do Estatuto Social, a ata é finalizada, com a seguinte redação:

"Dando-se por fundada aquela entidade civil, foi a primeira Diretoria por aclamação constituída pelos Incorporadores da Sociedade, senhores Mario Roca Freire, Rubem Santos Rocha e Darcy Neves Lopes, respectivamente, para Presidente, Diretor Financeiro e Diretor Administrativo, aos quais foi dada posse dos respectivos cargos, ficando a cargo do Diretor Presidente nos termos estatutários, a nomeação dos demais integrantes da Diretoria. Nada mais havendo a tratar foi a presenta Ata da Assembleia de Fundação do Clube Comary encerrada, assinada por mim Maria Mendes da Silva Souto, secretaria "ad hoc".

Assinaram a ata, pela ordem:

semfoto
Maria Mendes da Silva Souto.

CarlosPalassinGuinle
Carlos Palassin Guinle.

JorgeEduardoGuinle
Jorge Eduardo Guinle.

RubemSantosRocha
Rubem Santos Rocha.

MarioRocaFreire
Mario Roca Freire.

DarcyNevesLopes
Darcy Neves Lopes.

RubensStuckenbruck
Rubens Stuckenbruck.

RogerioSantosRocha
Rogério Santos Rocha.

JorgeGuilhermeMarcelloPontes
Jorge Guilherme Marcello Pontes.

LuizdeOliveiraMoura
Luiz de Oliveira Moura.

semfoto
Davi Hague Nauer.

A CONSOLIDAÇÃO

O Clube dava seus primeiros passos e como sua sede estava ainda em fase de construção, as reuniões da Diretoria eram realizadas no prédio da Portaria da Granja Comary.
As obras seguiam em passo lento já que a única fonte de recursos para sua execução era oriunda da subscrição de títulos, que se processava muito vagarosamente.
Para obter recursos para acelerar as obras, o Presidente articulou negociações com um grupo Investidor, para que este grupo, mediante condições que seriam estabelecidas, investissem recursos próprios. Para tanto, os componentes deste chamado grupo Investidor passariam a fazer parte da Diretoria do Clube, sendo-lhes concedidos todos os direitos outorgados pelo Estatuto Social aos Diretores Incorporadores.
Em reunião extraordinária realizada em 25.10.1969 foram introduzidas modificações no Estatuto para permitir a reestruturação do quadro Diretor e foram criadas 4 (quatro) novas Diretorias que passaram a constituir o grupo de Diretores Investidores, ficando assim constituída a nova Diretoria:
Presidente – Mario Roca Freire
Vice Presidente – Obed Mendonça Cardoso
Diretor Financeiro – Giovanni Mamoli
Diretor Técnico – Aron Wiktor Wigdorovicz Yel Zoladz
Diretor Administrativo – Rubem Santos Rocha
Diretor de Patrimônio – Ezio Biondi
Diretor de Comunicação – Darcy Neves Lopes

Uma vez consolidada a base geográfica do Clube, os Incorporadores elaboraram estudos preliminares para o plano de obras da sua sede social, de que resultou o projeto aprovado pelo Município, através do Processo nº 12.020/68, iniciando-se as obras com recursos oriundos da venda de títulos. Foram celebrados contratos para a construção da piscina e, salvo o cumprimento desses contratos, o saldo do terreno e reduzidos débitos comerciais e fiscais pendentes, nenhuns outros compromissos foram assumidos pelos Incorporadores.
Considerando, porém, de um lado o elevado custo das obras e a necessidade de acelerar-lhes o ritmo e, de outro lado a lenta subscrição de títulos, os Incorporadores promoveram a venda maciça de 1.200 (mil e duzentos) títulos de sócios proprietários aos interessados em subscrevê-los, pelo preço unitário de CR$ 250,00 (duzentos e cinquenta cruzeiros) totalizando CR$ 300.000,00 (trezentos mil cruzeiros), quantia essa que, conjugada com outros recursos, permitisse acelerar o ritmo das obras.
Para materializar a venda, foi elaborado um contrato de subscrição de títulos sociais entre o Clube Comary e os Subscritores, definindo as regras para sua consolidação.
Os Subscritores que aderiram ao contrato e subscreveram os títulos, com o pagamento do valor integral, no ato da adesão, foram:
1 – Obed Mendonça Cardoso – 150 títulos no valor total de CR$ 37.500,00
2 - Giovanni Mamoli – 150 títulos no valor total de CR$ 37.500,00
3 – Zohrab Dadorian – 75 títulos no valor total de CR$ 18.750,00
4 – Aron Wiktor Wigdorowicz Yel Zoladz – 75 títulos no valor total de CR$ 18.750,00
5 – Umberto Bellisi – 150 títulos no valor total de CR$ 37.500,00
6 – Ezio Biondi - 150 títulos no valor total de CR$ 37.500,00
7 – Marcos Cornet - 150 títulos no valor total de CR$ 37.500,00
8 – Edalmo Delorme Esmeraldo - 150 títulos no valor total de CR$ 37.500,00
9 – Américo Pereira Couto Junior - 150 títulos no valor total de CR$ 37.500,00

A venda desses títulos, ocorrida em 04 de julho de 1971, deu um novo gás às obras do clube.
Pouco tempo depois a generosidade da família Guinle se faz presente e, em escritura lavrada em 05 de outubro de 1973, compareceram no 23º Oficio de Notas – Tabelião Guido Maciel, Cartório Marcio Braga, os Srs. Carlos Eduardo da Cunha Bueno Guinle e Jorge Eduardo Guinle, na qualidade de representantes do Espólio do Dr. Carlos Guinle, falecido em 1969, como outorgantes vendedores e como outorgado comprador o Clube Comary, representado por seus Diretores Mario Roca Freire e Obed Mendonça Cardoso, ficando esclarecido que o Clube ainda devia ao vendedor a importância de CR$ 46.000,00 (quarenta e seis mil cruzeiros) e, de comum acordo entre as partes ali representadas, ajustaram liquidar esse saldo devedor mediante renúncia, pela referida escritura.
Do mesmo modo, renunciavam ao direito de servidão representada pela "pelouse" constante da clausula 10ª da escritura de 01 de julho de 1968, complementando a quitação de CR$ 46.000,00 (quarenta e seis mil cruzeiros), em dação de pagamento pelo valor de CR$ 100.000,00 (cem mil cruzeiros), transferindo ao Clube Comary a área de 2.410 m2, liquidando desta forma o débito acima citado, mediante comprovação com o valor da dita servidão que, de comum acordo fixam em CR$ 146.000,00 (cento e quarenta e seis mil cruzeiros) e dão ao outorgado comprador rasa, geral e irrevogável quitação.
Estabelece, ainda, que na área de 2.410 m2, agora incorporada ao Clube Comary, fica expressamente vedada a execução de obras residenciais, sendo seu fim exclusivo para parqueamento de automóveis em favor dos usuários do mesmo, e que por este instrumento fica ali instituída uma servidão de passagem, através do terreno, a favor do condomínio existente na Gleba 8, em continuação a entrada que circundará a cerca divisória com a "pelouse", observada a mesma largura e tendo o traçado que o Clube Comary vier a julgar o mais conveniente às suas finalidades.
O Clube expandia sua sede social para 41.310 m2 (quarenta e um mil trezentos e dez metros quadrados).
Em novembro desse mesmo ano foi proposta a supressão da Taxa de Manutenção, medida que poderia incentivar a venda de títulos, aventando-se também, a hipótese de se construir unidades hoteleiras para obtenção de recursos destinados a construção da sede social.
Nas modificações inseridas no Estatuto Social, em reunião realizada em 20.12.1973, forma criadas as insígnias do Clube com definição de seu pavilhão e determinadas as cores de seus uniformes.

"O pavilhão do Clube é confeccionado em tecido de dois metros de comprimento por um metro de largura, de cor branca. Do lado esquerdo de quem olha está gravada a insígnia do clube, circunsfericamente desenhada, medindo cinquenta centímetros, contendo a primeira linha mais grossa e as quatro restantes, mais finas, de cor verde. No centro desta esta gravado um retângulo vertical em cor verde, chanfrado nas duas pontas, interligado na parte inferior, acompanhando na parte superior o desenho de um CISNE, também de cor verde. Na base do retângulo das arestas, duas letras com a iniciais "C.C.", estas arabescamente desenhadas e ligadas no sentido inverso, no fundo branco, a cujo centro está adaptado uma esfera também de fundo branco, abaixo do polígono, a palavra TERESÓPOLIS".

"Os uniformes do Clube, tanto masculino como feminino constarão de um calção verde, com listras brancas verticais nos dois lados. A camisa é branca com gola e punhos verdes, gravado no centro do peito a Insígnia do Clube e o número nas costas, em cor verde".
"Quando o uniforme oficial, descrito acima, fizer confusão com o do adversário, será adotado o 2º uniforme, composto de um calção branco e camisa verde, com gola e punhos brancos, com a Insígnia no centro do peito e o número nas costas. As meias serão em cor cinza".


Em entrevista realizada com o fundador Sr. Darcy Neves Lopes, este relata que as cores escolhidas simbolizam o local onde está situado o Clube, com o verde representando a exuberância da mata existente no entorno de toda a região e o branco como o sentimento de paz que o local transmite.
A escolha do CISNE está diretamente ligada a existência desta ave deslizando graciosamente nas águas do Lago Comary e por simbolizar a graça, a coragem, a nobreza, a prudência e a elegância.



A SUB-SEDE DE RIO DAS OSTRAS

Para contar a história da sub-sede de Rio das Ostras voltamos no tempo, até 11 de fevereiro de 1982, quando o Presidente José Carlos da Cunha, representando o Clube Comary, pagou à Imobiliária Comary Ltda, a importância de Cr$ 600.000,00 (seiscentos mil cruzeiros) correspondente ao sinal e principio de pagamento dos lotes A (396 m²), B (396 m²), C (396 m²), D (430 m²), E (378 m²) e F (390 m²) da quadra 28 do Balneário Remanso, em Rio das Ostras, Município de Casimiro de Abreu, que prometeu vender os referidos lotes pelo preço ajustado de Cr$ 3.000.000,00 (Três milhões de cruzeiros), ficando o saldo devedor de Cr$ 2.400.000,00 (Dois milhões e quatrocentos mil cruzeiros) para ser pago em 20 (vinte) prestações mensais, iguais e sucessivas de Cr$ 120.000,00 (cento e vinte mil cruzeiros) com o vencimento da 1ª parcela em 10 de março de 1982. O somatório dos 6 (seis ) lotes adquiridos perfazia o total de 2.386 m2 (dois mil trezentos e oitenta e seis metros quadrados), ficando o Clube Comary imitido na posse dos lotes descritos no recibo de pagamento.
A escritura de Compra e Venda realizada em 21 de fevereiro de 1984, entre o Clube Comary, representado pelo Presidente José Carlos da Cunha e a Imobiliária Comary Ltda representada por seus gerentes Mario Roca Freire e Rogério Santos Rocha, registra a venda dos lotes citados acima e inclue os lotes 09 (528 m²), 10 (516 m²) e 11(426 m²) cuja soma adiciona 1.470 m2 (mil quatrocentos e setenta metros quadrados) aos 2.386 m² (dois mil trezentos e oitenta e seis metros quadrados), perfazendo o total de 3.856m² (tres mil oitocentos e cinquenta e seis metros quadrados) atualmente ocupados pela sub-sede, aumentando o valor de compra para Cr$ 4.580.000,00 (quatro milhões quinhentos e oitenta mil cruzeiros).
A citada escritura, registrada no livro148, fls. 22/23 do Cartório Franklin Santos, do 2º Oficio de Notas da Comarca de Casimiro de Abreu, dá como efetivamente vendidos os imoveis ali mencionados e atesta ter recebido em moeda corrente do país a importância previamente convencionada de Cr$ 4.580.000,00 (quatro milhões quinhentos e oitenta mil cruzeiros).
A sub-sede de Rio das Ostras foi fundada 9 (nove) dias antes da lavratura da escritura de compra e venda, no dia 12 de fevereiro de 1984, pelo Presidente José Carlos da Cunha e está localizada na Rua Paraiba nº 375, Bairro Remanso, com uma área construída de 1.809 m² (mil oitocentos e nove metros quadrados) e seus associados, classificados na Categoria de Contribuintes, não têm qualquer direito de propriedade sobre o patrimonio imovel e mobiliário da sede de Teresópolis, estando seus direitos limitados ao uso e fruição da sub-sede e patrimônio de Rio das Ostras, onde desfrutam de diversas atividades, nos seguintes espaços oferecidos pelo Clube.
Área de bicicletas, bar, piscinas (adulto e infantil), saunas a vapor mista, sauna seca mista, sauna a vapor feminina, campo de futebol soçaite de grama, quadra de areia, quadra poliesportiva, churrasqueiras, parquinho infantil, sala de sinuca oficial, sinuquinha, salão com tv, sala de repouso com tv, garda volumes, vestiários masculino e feminino, sala de musculação e jiu-jitsu, totó, ping-pong e mesas para carteado, além de jornais e revistas para leitura no Clube.
A sub sede de Rio das Ostras é subordinada a sede de Teresópolis e é administrada por membro da Diretoria Executiva, o Diretor de Rio das Ostras.


Pesquisa e texto por
ass dirsecretario joaoteles
João Luiz Telles
Diretor Secretário em 2018 nos 50 anos do Clube Comary